"Agrada-te do Senhor, e Ele satisfará os desejos do teu coração. Entrega o teu caminho ao Senhor, confia nele, e o mais Ele fará." Sl37: 4-5















domingo, 24 de maio de 2015

Ele me ama

Ontem eu estava desabafando com o meu marido minha frustrações. Eu estava triste com tantas coisas fora do lugar, com planos que não se concretizaram, com sonhos que não se realizaram, enfim, um daqueles dias que o inimigo parece colocar uma nuvem cinza sobre as nossas cabeças. 
Era como se tivesse uma voz na minha mente querendo me levar a crer que Deus tinha me esquecido. Mas, ao mesmo tempo, uma outra voz, essa com certeza do Espírito Santo, lutava dentro de mim pra que eu não deixasse os pensamentos derrotistas me dominarem, pq o mesmo Deus que já operou inúmeros milagres na minha vida continuava sendo o meu Deus, portanto, ainda que as coisas parecessem ruins Ele estava no controle, como sempre esteve.
Fui dormir tarde conversando com o maridão, bem depois das 2:00 da amanhã, e quando o relógio tocou pra eu me arrumar pro culto eu tive uma nova batalha espiritual. Meu corpo pedia cama, outra vez uma voz soprava em minha mente "Vai não... semana que vem vc vai... vc vai levantar dessa cama quentinha???", mas eu tb ouvia "Levanta!!! coragem!!!! Deus quer falar com vc... Se vc não for vc nunca vai saber como teria sido... Vc pode dormir depois... É só um dia da semana e vc não vai???" 
Esse tipo de embate interior não é nenhuma novidade pra mim e pra quem entende um pouquinho de mundo espiritual. Já aconteceu muitas vezes na minha vida e eu já vi acontecer na vida de muitas outras pessoas. É uma batalha pra fazer com que a gente não seja abençoado e nem fortalecido. Muita gente diz que não precisa de igreja pra amar a Deus, o que é verdade, porém, o que essas pessoas não entendem é que é na igreja que nós ouvimos louvores e palavras que alimentam o nosso espírito e nos dão condições melhorar e superar as nossas adversidades. É na igreja que nós dividimos as nossas angústias e conquistas com quem pode nos ajudar com intercessão.
Gente, eu fui a igreja e GRAÇAS A DEUS por isso. O louvor penetrou na minha alma, aquebrantou o meu coração e me relembrou pq eu sou quem eu sou diante de Deus. 
Enquanto eu escutava as músicas eu pensei em como teria sido ruim se eu tivesse ficado em casa. Aquele toque do Espírito que eu estava sentindo no meu coração eu não teria acontecido. Eu, simplesmente, não estaria ouvindo Deus me falar, através do louvor, que Ele me ama.
Mas não parou por aí!!!! o pregador de hoje foi um missionário que atuou por mais de 11 anos no Oriente Médio e hoje trabalha na tradução da bíblia pra vários idiomas e dialetos daquela região. Ele pregou em cima do primeira capítulo de Rute e compartilhou algumas experiências que ele teve na Jordânia e no Iraque, inclusive, mencionou o que ISIS tem feito com os cristãos do Oriente Médio.
Eu não tenho dúvida que a mensagem foi preparada por Deus pra falar comigo nessa manhã. Tudo o que eu tinha falado com meu marido na noite anterior - o meu desânimo e frustrações - o missionário abordou falando de Noemi. Em alguns momentos era como se só tivesse eu e Deus naquele lugar. Um momento muito gostoso, pq eu senti o amor de Deus por mim. Ele estava respondendo a muitos dos meus questionamentos na noite anterior, era como se Ele me dissesse: Eu me importo com vc. 
Através do missionário Deus me falou que eu não deveria deixar a amargura me dominar, pq Ele era o Senhor sobre a minha vida e os Seus planos eram muito maiores do que os meu olhos poderiam alcançar.
Noemi estava numa terra estrangeira, tinha perdido o marido, seus dois filhos, estava completamente desamparada na companhia de suas duas noras: Orfa e Rute. Ela não sabia, pq a tristeza e aflição não a permitiam ver e crer, mas Deus estava com ela e já tinha preparado bênçãos pra derramar sobre a sua vida.
Assim como Noemi, nós tendemos a deixar a nossa dor nos cegar dos planos que Deus tem para as nossas vidas. Mas Deus me lembrou hoje que Ele está comigo da mesma forma que esteve com Noemi e todos os outros que O amam.
Enquanto Orfa volta pra casa de seus pais e pra seus falsos deuses, Rute se recusa a deixar Noemi e o Deus de Israel, o Deus verdadeiro, e vai com ela pra Judá.  
"... aonde quer que tu fores irei eu, e onde quer que pousares, ali pousarei eu; o teu povo é o meu povo, o teu Deus é o meu Deus; onde quer que morreres morrerei eu, e ali serei sepultada..." (Rute 1:16-17)
Até aí Noemi só conseguia pensar na sua dor e perdas e não conseguia ver que Deus não a tinha esquecido, pelo contrário, Ele tinha preparado Rute, uma moabita convertida ao Deus de Israel pra ser o apoio que ela precisaria, ser a sua família, a filha que ela não teve. 
Não vou contar o final da história, mas eu sugiro que vcs leiam, pq vale a pena. Mas vou dizer a vcs que as nossas vidas têm altos e baixos e muitas vezes os "baixos" são vales difíceis de se enfrentar. O nosso emocional pode nos levar a lugares obscuros e tristes, mas ainda que os nossos olhos não possam ver DEUS SEMPRE ESTA CONOSCO e os Seus planos são sempre melhores do que os nossos.
Deus tem um plano pra minha vida e pra sua tb. Vamos hoje abrir os nossos corações e mergulhar no espiritual. Vamos entrar em oração e voltar ao primeiro amor, a inocência, quando não éramos cheios de nós mesmos, mas deixávamos Deus nos encher com o Seu Espírito.
Que o Senhor abençoe a nossa semana.

quinta-feira, 21 de maio de 2015

Trabalho voluntário

Oi gente, pra vcs que estão querendo vir pra cá é melhor ir se acostumando com a ideia do voluntariado, pq faz parte da vida canadense. Pra quem já está aqui vcs sabem do que eu estou falando :)
Minha filha estuda numa escola judaica que requer 25 horas de voluntariado por ano pra cada família. Todo mundo tem que participar de alguma forma e ao mesmo tempo que a gente ajuda a escola é tb uma boa maneira de fortalecer a relação entre as famílias. A gente acaba conhecendo um monte de gente.
Há alguns meses atrás eu soube da necessidade da escola na formação de um grupo que trabalharia arrecadando doações em dinheiro pra serem revestidas em scholarships (bolsas de estudo) pra crianças judias que não tenham condições de arcar com as mensalidades. Eu logo me prontifiquei a ajudar pq eu sou extremamente grata pelo que a escola tem feito por minha filha. Eu só não imaginava que eles iriam me convocar pra uma noite de ligações rsrsrsrs... Ou seja, eu e mais um grupo de pessoas nos reunimos num escritório pra ligar e pedir doações pra possíveis doadores.... EM INGLES!!! 
Quando me deixaram sozinha com a lista e o telefone eu parei, respirei e orei ao Senhor: Pai, meu inglês não é maravilhoso, mas o Seu é, então, fala através de mim, em nome de Jesus!!! rsrsrsrsrsrs...
Graças a Deus cumpri meu objetivo, consegui fazer todas as ligações e ainda consegui algumas doações... Glória a Deus!!!!
Mas essa noite me fez refletir na importância da comunidade. Quando eu cheguei no Canadá com uma filha de três anos, sem emprego, sem dinheiro, eu bati na porta das escolas cristãs e não encontrei ajuda de nenhuma delas. Primeiro, elas não tinham vaga e não abririam exceção. Segundo, a mensalidade era acima dos $500, mais do que eu podia pagar, e não havia nenhum tipo de desconto.
Foi, então, que por "acaso", acompanhando uma amiga judia na escola dos filhos dela, eu conheci o lugar que Deus tinha preparado pra minha filha. 
A Richmond Jewish Day School segue a filosofia de que toda crianças judia não pode ficar sem uma educação judaica por questões financeiras. Por isso, muitas famílias fazem doações, pra que famílias com baixa renda possam dar uma educação de qualidade a seus filhos. Não importa a época do ano ou a quantidade de alunos, eu nunca vi uma criança chegar, procurar a escola e ficar sem a vaga. Nunca!!!
Eu fico admirada com a noção de comunidade dos judeus que une pessoas de diferentes backgrounds pra o bem comum. A grande maioria participa ativamente de tudo na escola.
Por motivos que só Deus sabe, a minha filha é uma das beneficiárias dessas bolsas de estudo. Eu, como mãe, só tenho a agradecer a Deus, a escola e as pessoas que doaram e doam.
Vou deixar o site aqui pra vcs darem uma olhada.
Que Deus nos dê esse senso de comunidade e nos faça pessoas melhores.


sábado, 16 de maio de 2015

Olhando o ontem e vivendo o hoje

Olá amigos blogueiros, apesar de não estar estudando e nem trabalhando ainda minha vida continua agitada como sempre. Todo dia é uma coisa diferente pra fazer e eu acabo me enrolando nas obrigações e não tendo tempo pra atualizar o blog.
Desde que eu e meu marido chegamos do Brasil ele tem falado com saudades da Flórida. O Canadá é um país com mais qualidade de vida e mais respeito ao imigrante do que os EUA, mas nós deixamos uma vida lá, muitos amigos queridos, um negócio, uma história. 
Calma, não pensamos em voltar pra lá!!! Pelo menos eu ainda acredito que Deus tenha um plano pra nós aqui. Mas é que `as vezes as circunstâncias nos fazem pensar nas escolhas que temos feito. É como se o nosso cérebro nos fizesse lembrar das coisas boas que vivemos e tirasse as ruins pra nos deixar na dúvida rsrsrsrsr... Porém eu acredito que tudo na vida tem uma razão de ser e tem um tempo. Quando eu saí dos EUA e senti como se o meu tempo lá tivesse acabado e hoje eu sinto como se faltasse muita coisa pra gente aqui no Canadá. 
Ontem mesmo meu marido estava me dizendo que sente falta de estarmos cercados de cristãos como era na Flórida, pq aqui a maioria não acredita em Deus e quando acredita é algo como "Deus lá e eu aqui", sabe??? Sim, existem algumas exceções, mas a grande maioria não tem tempo para as coisas espirituais.
Eu tive uma conversa com um amigo judeu que me deixou bem pensativa. Ele foi religioso até os 23 anos e depois passou a não acreditar mais em Deus. Segundo ele muitos amigos que seguem a religião judaica vivem aprontando e é mais seguro acreditar na ciência que pode ser provada do que em algo escrito há mais de 2 mil anos.
Infelizmente eu ainda não tenho uma fluência no inglês quando se trata de textos bíblicos, mas eu disse a ele que não entendia como uma pessoa que nasceu e viveu em Israel, um país menor que Sergipe, que era um deserto sem nenhuma riqueza natural, e que em menos de um século se transformou em uma das maiores potências do mundo, podia não acreditar em Deus. Eu perguntei a ele como não acreditar em Deus quando o profeta Isaías, que viveu aproximadamente 750 anos antes de Cristo, ou seja, 2750 anos atrás, deixou escrito que Israel se transformaria em país em um só dia e assim foi feito em 1947. Perguntei como não acreditar na bíblia quando o profeta já dizia que o mundo era redondo quando a ciência da época pensava que era quadrado, ou quando a bíblia dizia que a vida vinha do sangue e os médicos pensavam que pra curar uma enfermidade era necessário tirar o sangue, enfim, como não acreditar em tantas verdades comprovadas pelo tempo???
Eu não me preocupo com religião, como nome de igreja, mas eu acho importante se criar um relacionamento de intimidade com Deus baseado no que está escrito na bíblia. Respeito quem não pensa como eu, mas pra mim não dá ter uma vida que se resume ao aqui e agora.
A minha vida não é mais fácil do que a das pessoas que eu conheço que não crêem em nada, pelo contrário, já penei muito e nada do que eu consegui caiu do céu, mas eu sou extremamente agradecida por ser capaz de ver Deus nas pequenas coisas, como no ar que eu respiro, no sorriso de minha filha, no sol que se põe ou nos livramentos do trânsito.
Um dia todos nós fecharemos os olhos, uns mais cedo, outros mais tarde, mas, muito provavelmente, todos nós descobriremos Deus. Se Ele não existe eu perdi meu tempo, se Ele existe muita gente perdeu a chance de conhecê-lO.
Tenham uma semana abençoada. Que Deus nos abençoe a todos.

domingo, 10 de maio de 2015

Dia das mães 2015

Eu sou o tipo de pessoa que sempre sonhou em casar e ser mãe. Nunca passou pela minha cabeça algo diferente e eu confesso que não entendo como tem mulheres que não querem filhos por opção. Eu sei que é muita responsabilidade, que é caro - dependendo do que vc quer oferecer ao seu filho - que é dedicação pra vida inteira, enfim, não é fácil, mas eu nunca me vi sem ter uma família completa.
Por outro lado, eu não sou ligada em datas e o dia das mães não me diz muita coisa. Entenda, não significa nada pra mim como mãe, mas tem valor pra mim como filha, pq eu lembro da minha mãe e da minha avó, eu lembro dos inúmeros almoços em família que tivemos juntas... momentos maravilhosos!!!
Hoje eu entendo minha mãe como eu não entendia há anos atrás. A idade me mostrou que eu não sabia de nada quando eu pensava que sabia de tudo. Por muitas vezes eu questionei as escolhas e as atitudes de minha mãe achando que eu sabia mais do que ela e que eu faria diferente e melhor, mas hoje eu entendo que na verdade eu não sabia de nada. Minha mãe, mesmo sem bula de instrução, mesmo sendo uma mãe jovem e sem experiência, foi e é uma mãe incrível!!! 
Eu entendi que todas as escolhas que ela fez foram sempre pensando no melhor pra mim e para as minhas irmãs e ela fez o que podia e, muitas vezes, o que não podia pensando na gente.
Agora que eu sou mãe eu penso muito na minha e sei o valor que ela tem.
Pra não passar o dia  melancólico e em branco eu e a família fomos `a igreja pela manhã e depois fomos ao primeiro piquenique de brasileiros de Richmond. Como não tem muitos brasileiros por aqui, e os que têm já são todos amigos e conhecidos, o piquenique acabou sendo um dia delicioso de confraternização entre amigos.
Eu queria aproveitar pra agradecer as orações e palavras de ânimo que muitos de vcs me enviaram. Eu estou melhor. Me sinto mais em paz.
Hoje mesmo no culto senti o Espírito Santo tocando no meu coração de uma forma especial. A cada louvor que era entoado eu sentia o amor e o cuidado de Deus invadindo a minha vida.
Eu sou muito grata a Deus por Ele ter aberto meus olhos pra que eu visse que Ele existe e que é um Deus vivo, que se importa comigo.
Desejo a vcs uma semana abençoada.

terça-feira, 5 de maio de 2015

Tudo junto

Tem feito dias lindos aqui. Inclusive, já comecei a ligar o ar condicionado do carro. Ainda não tá muito calor, mas já consigo sentir o verão chegando... e eu não vejo a hora!!!
Minhas férias no Brasil foram tão boas que eu fiquei meio deprê quando voltei pra casa. Não que eu não quisesse voltar, mas juntou a volta, a chuva, o frio, a perda da minha cachorrinha, as minhas incertezas profissionais e eu fiquei baqueada. 
Tem gente que nunca soube o que é depressão. Meu marido mesmo fica triste, preocupado, mas ele é uma pessoa feliz por natureza. Já eu sou mais sensível e me abato emocionalmente com mais facilidade.
Ontem eu li uma frase bem interessante no facebook que dizia mais ou menos assim: Tudo é uma questão de ponto de vista: pra formiga, uma gota de água é tsunami.
Isso fez o maior sentido pra mim!!! Quando eu estou deprimida, os motivos podem ser bestas pra todos que estão ao meu redor, mas pra mim é como se fosse um buraco sem fundo.
Não dá pra explicar pra quem nunca viveu o que eu sinto quando estou com depressão. É uma sensação muito ruim na qual a minha mente vira um campo de batalha. A fé ajuda muito, por isso eu dou muito valor aos louvores e ministrações. Eles têm um poder de fortalecer a minha fé em Deus nos momentos de angústia. Mas não é fácil.
Ontem eu tive uma entrevista de trabalho. O cara que me entrevistou foi muito bacana, mas ele me disse que eu era over qualified pra vaga e que ele não queria perder tempo me treinando pq ele sabia que em pouco tempo eu conseguiria uma proposta melhor e sairia. Ele estava 100% certo. Eu ficaria lá até conseguir algo melhor, mas pra quem está precisando trabalhar é complicado não começar de algum lugar, né???
Hoje, daqui a pouco, eu tenho uma reunião no skills connect. É aquele lugar que ajuda imigrante com menos de 5 anos de Canadá a conseguir entrar no mercado de trabalho. Pois é, vou lá pra ver se aparece alguma coisa, nem que seja um part-time. Esse programa não me ajudou em nada até aqui, mas não custa continuar tentando.
Que Deus abençoe a nossa semana.



quinta-feira, 30 de abril de 2015

Giovanna

Esse foi o nome que eu escolhi pra minha primeira filha. Significa presente de Deus. 
Giovanna foi sonhada, planejada e esperada com todo amor do mundo. Mas eu não tinha ideia de como a sua vida iria impactar a minha.
Há exatos 8 anos, no dia 29 de abril de 2007 eu vi o seu corpinho tão pequeno e frágil, cercado de médicos, fios e aparelhos não resistir as complicações de um parto muitíssimo prematuro.
Naquele momento eu experimentei a dor da perda como eu nunca tinha imaginado sentir. Parecia veneno circulando pelo meu corpo e me matando por dentro. Uma dor inimaginável que abalou minhas emoções e mudou a minha vida.
Não consigo esquecer de vê-la partir e de sair daquele hospital vazia, sem chão, sem ter onde me amparar a não ser na esperança em Deus.
Ontem, dia 29 de abril de 2015, eu vendi a Maggie, a cachorrinha que eu trouxe do Brasil. As coisas não deram muito certo por aqui e eu tive que deixa-la partir. Senti como se o mundo estivesse me lembrando o gosto amargo da perda. Não estou comparando um animalzinho com a perda da minha filha, não é isso, mas o sentimento de perda sempre me faz lembrar das grandes perdas que eu já sofri.
Já se passaram tantos anos e eu ainda me emociono quando vejo uma criança prematura ou quando uma mãe perde um filho. É como se eu revivesse a dor. Fico pensando nos pais que têm que conviver com a morte de um filho ou a perda de um ente muito querido. Dói demais!!!
São sonhos que viram histórias tristes e nos fazem questionar a vida. Eu tenho a minha esperança em Deus, em que um dia viveremos sem dor, sem morte e sem perda.
Mudando de assunto, algumas pessoas têm me perguntado sobre a burocracia de se trazer um cachorrinho do Brasil pra cá. Bom, segue a lista:
1- Eu tive que pegar um atestado de saúde com o veterinário e levar pro ministério da agricultura no aeroporto pra eles me emitirem um documento de viagem.
2- Tive que registrar o cachorro na Air Canada, que me cobrou $100.
3- A Gol não quis deixar o animalzinho viajar comigo na cabine e eu tive que manda-la pela Gollog. Paguei uns cento e pouco reais.
4- Ao chegar na alfândega o oficial queria saber o valor do animal pra detrminar se eu tinha passado da cota de compras, pq pet tb está sujeito a taxação. Falei que não sabia o valor, que tinha sido um presente e só pague uma taxa de $33.00.
5- Nem todos os vôos tem poltronas que cabem a caixinha do cachorro. Passei o dia no aeroporto de Toronto pra embarcar.
Resumo: É mega estressante!!!!

quinta-feira, 23 de abril de 2015

Final de férias

Amanhã irei encarar a maratona de vôos e espera em aeroportos até chegar em casa no sábado. Serão mais de 20 horas e eu fico desanimada só de pensar. 
É nessas horas que eu invejo os brasileiros que optaram por morar em Toronto rsrsrsr... Não é muito mais perto, mas é mais perto e mais barato do que Vancouver. 
Meu vôo de Salvador pra São Paulo é `as 12:45, mas eu vou ter que chegar `as 9:00 pra despachar o mais novo membro da minha família, uma Yorkshire mini chamada Maggie. Linda!!!!
Desde que eu imigrei nunca passou pela minha cabeça ter nenhum tipo de animal. Não que eu não gostasse, mas eu não queria ter mais trabalho e mais despesa. 
Porém há alguns meses eu comecei a mudar de ideia depois de ter lido uma matéria sobre a importância que um cachorrinho pode ter pro emocional das pessoas. Na hora eu pensei que poderia ser uma boa ideia pra ajudar minha filha, já que ela estava com muita ansiedade, mas meu marido foi totalmente contra. Ele não suporta bichos dentro de casa!!!
Como um cachorrinho no Canadá do tamanho que eu queria pra apartamento estava na faixa dos $1.200 eu não tinha nem o quê argumentar rsrsrsrs...
Mas já aqui em Salvador, eu fui com minha mãe a uma feira, que mais parecia um shopping, e lá eu e minha filha vimos a Maggie pela primeira vez. Ela estava tão feliz!!! fez a maior festa quando nós nos aproximamos e eu fiquei apaixonada. Fui embora sonhando com a cadelinha e ouvindo minha filha falar dela o tempo todo!!! mas eu não podia dar a quantia que a loja estava pedindo. Meu marido me matava!!! Foi então que minha mãe, mesmo sem poder, nos presenteou com a Maggie.
Eu estou tão apegada a cadelinha que já estou sofrendo por não ter certeza do embarque dela amanhã. Está tudo certo com a Air Canada, mas a Gol não quer embarca-la na cabine comigo. Eles querem que ela vá no compartimento de carga, o que eu acho super perigoso já que ela tá grudada comigo e ainda é um bebê. Enfim, vou pra o aeroporto bem mais cedo tentar resolver isso e seja o que Deus quiser!!!
Ah, vcs querem saber o que o maridão falou sobre a Maggie??? Foi uma luta!!! Mas eu tenho orado e orado. Espero que ao vê-la ele caia de amores como eu rsrsrsrs.
Se Deus abençoar e ela embarcar e chegar bem em Vancouver eu posto uma foto aqui. Vcs vão ver que eu não estou exagerando. Ela é muito fofa!!!! :)